quinta-feira, 29 de outubro de 2015

A região vinícola de Mendoza

Bardot - Vinhos e Artes

Afirmar que Mendoza é a principal região vitivinícola da Argentina é redundante. Afinal, mais de 80% do vinho argentino é produzido nesta província, cuja capital é a cidade de Mendoza. Para lá foram direcionados os maiores investimentos estrangeiros e, sem dúvida, é em Mendoza que estão estabelecidas as vinícolas mais tecnológicas do país.

Situada a oeste da Argentina e no sopé dos Andes, as vinhas estão plantadas em altitudes elevadas, que variam, em média, entre 600 e 1.100 metros acima do nível do mar. A maioria dos vinhedos usa métodos de irrigação que vão desde as tradicionais acequias (canais que levam a água do degelo), passando por diques ou o mais atual, a irrigação por gotejamento. O clima muito seco nas regiões de cultivo, os ventos fortes e as características dos solos resultam em uvas ótimas para a produção de vinhos. 

Estima-se que na região existam mais de 160.000 hectares de vinhedos e, ao redor da cidade de Mendoza, aproximadamente 1500 vinícolas. 

As vinícolas de Mendoza produzem 60% do vinho argentino e 84% do vinho exportado. A região tem como ponto forte também o turismo enológico: diversas vinícolas têm pousadas e quase todas estão prontas para recepcionar o turista.

Bardot - Vinhos e Artes

A geografia da vitivinicultura mendocina se divide em cinco grandes sub-regiões, cada qual com características próprias de altitude e composição de solo, resultando em terroirs diferenciados, cujos reflexos influenciam diretamente os vinhos de cada uma. São elas: Região Norte, Leste, Rio Mendoza (ou Região Central), Vale de Uco e Sul.

Essa constatação é comprovada no foco de trabalho de diversas vinícolas, entre elas algumas das mais maiores e mais celebradas, como Catena Zapata, Zuccardi e Trivento - projeto da gigante Concha y Toro na Argentina - que têm vários tipos de uvas plantadas nessas sub-regiões. Com estudos e pesquisas, elas estão definindo quais cepas são as mais indicadas nas mais diversas localidades, a fim de produzir uvas capazes de gerar vinhos diferenciados e de ótima qualidade em cada uma delas. Todo esse processo, além de otimizar a produção, contribui significativamente para a melhora do vinho argentino como um todo

Bardot - Vinhos e Artes

1. Rio Mendoza ou Região Central
Localizada nos departamentos de Luján de Cuyo e Maipú. É  uma região vitivinícola antiga e tradicional, também conhecida como a "primeira zona" dos vinhos argentinos. Estando ao sul da cidade de Mendoza, conta com altitude ideal - variando entre 650 e 1.060 metros - e com os melhores solos da província - pedregosos, pobres e ricos em calcário -, fatores excepcionais para o cultivo da videira, que contribuem significativamente para que os vinhos produzidos na região estejam entre os melhores do país. Há uma diversidade de microclimas e a maioria das vinícolas se utiliza de uvas dessa área na produção de seus vinhos.
A cepa mais característica da região é a Malbec, a partir da qual se obtêm vinhos emblemáticos, representativos da região, da província e do próprio país. Aliás, em Luján de Cuyo está a DOC - Denominação de Origem Controlada - para elaboração de Malbec. Lá, a fruta atinge aromas complexos, cor e ótima concentração. Entretanto, a Malbec obviamente não é a única casta cultivada na Região Central, onde se produzem bons vinhos também a partir de Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Pinot Noir, Chardonnay e Sauvignon Blanc.
Entre as vinícolas de destaque estão Alta Vista, Catena Zapata, Finca Flichman, Finca La Anita, Luigi Bosca, Mendel, Norton, Pulenta Estate, Ruca Malen, Santa Julia, Séptima, Terrazas de Los Andes, Trapiche, Trivento, Viña Alicia e Zuccardi.

2. Vale de Uco
É a zona que apresenta as maiores altitudes, que chegam a 1.700 metros acima do nível do mar. Com clima ameno, grande amplitude térmica e solo pobre, pedregoso e bem drenado, caracterizam-se por sua capacidade de produzir uvas de qualidade superior, com bom tanino, cor e ótimo equilíbrio entre acidez e açúcar; qualidades que permitem a vinificação de brancos e tintos capazes envelhecer por longo período.
Tradicionalmente, cultiva-se na região Sémillon e Malbec. Mais recentemente, foram introduzidas Chardonnay, Cabernet Sauvignon e Merlot, que mostram grande adaptabilidade ao terroir local, assim como Syrah e Tempranillo. Hoje o vale vive seu auge, recebendo investimentos internacionais e produzindo grandes vinhos.
Aqui merecem destaque diversas vinícolas, entre elas, Andeluna Cellars, Atamisque, Catena Zapata, Clos de Los Siete, Doña Paula, Finca Sophenia, Flecha de Los Andes, François Lurton, Monteviejo, O. Fournier, Rutini, Salentein, Terrazas de Los Andes, Trivento e Vistalba.


3. Região Sul

Compreendendo os departamentos de San Rafael e General Alvear, a região Sul está localizada entre os paralelos 34,5° e 35° de latitude sul. Suas altitudes descendem de 800 m a 450 m acima do nível do mar. O clima é ameno e os solos calcários. Destaca-se como a principal área de cultivo de Chenin Blanc na Argentina, além de produzir também bons vinhos a partir de Chardonnay, Malbec, Sauvignon Blanc, Merlot e Cabernet Sauvignon. Nessa região, merecem destaque as vinícolas Casa Bianchi e Alfredo Roca.

4. Região Norte 
A dita Região Norte engloba o departamento de Lavalle e parte dos departamentos de Maipú, Guaymallén, Las Heras e San Martín, abrangendo ainda áreas de menor altitude, irrigadas pelo Rio Mendoza. A altitude varia entre 600 e 700 metros acima do nível do mar, com pequeno declive, e predominam solos de areia fina. 
Destacam-se a produção de vinhos brancos a partir de Chardonnay, Sauvignon, Chenin Blanc, Ugni Blanc e Torrontés, e de tintos feitos com Syrah, Cabernet Sauvignon, Bonarda e Malbec. Aqui e na região Leste o foco está na produção de vinhos mais acessíveis e de maior produção. 

5. Região Leste 
Considerando a superfície de vinhedos e a quantidade de vinícolas estabelecidas na região, o Leste da província de Mendoza constitui verdadeira potência vitivinícola. Com altitudes que descendem de 750 a 640 metros, apresenta diferenças substanciais no clima, solo e amplitude térmica, de acordo com diferentes áreas. 
Nos setores localizados nos arredores da cidade de Mendoza, os solos apresentam pouca capacidade de drenagem. Já no extremo leste, especialmente nos departamentos de Santa Rosa e Rivadavia, a terra em geral é arenosa e bem permeável; a paisagem é desértica e verifica-se grande amplitude térmica. Todos esses fatores contribuem para que vinhos do Leste - e também do Norte - sejam mais maduros e frutados, próprios para consumo rápido e agradem a maioria dos paladares. 
Cultivam-se praticamente todas as cepas existentes na Argentina, destacando-se, entretanto, as produções das brancas Chardonnay, Sauvignon Blanc, Chenin Blanc, Torrontés e Viognier e das tintas Sangiovese, Syrah, Bonarda e Tempranillo. Nessa região merecem destaque as vinícolas Santa Rosa e Zuccardi.




Na Bardot - Vinhos e Artes você encontra várias opções de vinhos de Mendoza. Venha conhecê-los!

Fontes e Fotos:
www.mendoza-holidays.blogspot.com.br
www.academiadovinho.com.br
www.revistaadega.uol.com.br


Serviço:
Bardot - Vinhos e Artes
Rua Barão de Mesquita, 978 A. Praça Verdun, Grajaú, Rio de Janeiro.

Fale conosco:
Telefone: (21) 2575-9395

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...