quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Guia das uvas: Carménère

Bardot - Vinhos e Artes

Carménère é uma casta originalmente plantada em Medóc, região de Bordeaux na França, onde foi uma das mais cultivadas no início do século XIX. Na década de 1860, as videiras desta variedade foram dizimadas pela filoxera (uma praga que ataca as folhas e a raiz sugando a seiva das plantas) e substituídas por outras castas mais resistentes, como a Merlot. 

Julgada extinta, foi redescoberta em 1994 no Chile por um estudioso francês, chamado Jean-Michel Boursiquot, que notou que algumas cepas de Merlot demoravam a maturar. Os resultados de estudos realizados concluíram que se tratava na realidade da antiga variedade de Bordeaux Carménère, cultivada inadvertidamente, misturada com pés de Merlot

No Chile, a Carménère se adaptou ao clima agradável e aos solos férteis obtendo êxito ao ponto de ser considerada uma das uvas mais importantes do país, por sua qualidade e sabor excepcional. O cultivo se mantém restrito ao Chile devido à fragilidade da cepa, que sobrevive graças ao bom clima e solo, mas sobretudo, ao isolamento físico e geográfico criado por barreiras naturais como o Oceano Pacífico, o Deserto do Atacama, a Cordilheira dos Andes e as correntes frias provenientes do Pólo Sul, que protegem essa região de pragas.

Bardot - Vinhos e Artes

Características:
Os vinhos produzidos a partir dessa uva possuem cor rubi com reflexos violáceos, aromas de frutas vermelhas maduras, herbáceos e se tiver amadurecimento na madeira pode despertar aromas como chocolate, charuto, tostado, terra úmida e especiarias, com notas vegetais que vão se suavizando na medida em que amadurece na própria planta. 

Na boca contém taninos sedosos e aveludados, mais suaves que a Malbec e a Cabernet Sauvignon, entretanto não chega a ter delicadeza da Pinot Noir ou até mesmo da Merlot. Apresenta um vinho de corpo leve a médio e geralmente com pouca ou média persistência, com exceções.

Embora usado em assemblages, as vinícolas fazem também vinhos varietais que, quando produzidos a partir de uvas de maturação ideal, possuem um sabor frutado de cereja, notas terrosas e uma cor vermelho vivo. Seu sabor também pode possuir notas sutis de chocolate, tabaco e couro. É um vinho que preferencialmente deve ser bebido ainda jovem.


Regiões produtoras:
Agora raramente encontrada na França, a maior área plantada do mundo com esta variedade está no Chile, com mais de 4.000 hectares (em 2006) cultivadas. Como tal, o Chile produz a grande maioria dos vinhos Carménère disponíveis hoje.

Mas aparece também na Califórnia (EUA), na Argentina e no Leste da Itália. Os vinhos são via-de-regra varietais, mas podem aparecer combinados com Cabernet Sauvignon, ou mesmo Shiraz. Alguns tops chilenos usam Carménère em seu corte.


Harmonização com vinhos de Carménère:


Seus vinhos vão bem com pratos a base de carnes vermelhas sem muita gordura, como um medalhão de filé mignon com molho de gorgonzola que irá aumentar o sabor da carne, massas ao molho de queijos ou, se o vinho for mais estruturado,  podemos harmonizá-lo com uma boa carne de porco assada. 

Outras combinações: fondue de carne, feijoada, lasanha à bolonhesa, queijos maduros e peixes gordos (dourado). Não deve ser utilizada para acompanhar pratos leves e saladas. 

Alguns dos vinhos com a casta Carménère que são comercializado pela Bardot - Vinhos e Artes

  • Santa Carolina Reserva de Família Carménère 2012
  • Emiliana Novas Carménère-Cabernet Sauvignon 2013
  • Canepa Gran Reserva Carménère 2011
  • Cefiro Reserva Carménère 2013
  • Carmen Classic Carménère 2014
  • Casa Viva Coleccion Carménère 2012

Fontes e fotos:
Wilkipedia
www.sommelierwine.com.br
www.academiadovinho.com.br
www.enoleigos.com.br
www.simplificandovinho.com.br


Serviço:
Bardot - Vinhos e Artes
Rua Barão de Mesquita, 978 A. Praça Verdun, Grajaú, Rio de Janeiro.

Fale conosco:
Telefone: (21) 2575-9395

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...